A importância dos Cuidados Continuados no tratamento de câncer

Campanha do Novembro Azul destaca a importância da prevenção contra o câncer de próstata
9 de novembro de 2018
Janeiro: mês dedicado a prevenção do câncer de colo de útero
23 de janeiro de 2019

Receber um diagnóstico de câncer continua sendo um medo para o paciente que precisa enfrentar a doença. O tratamento normalmente está associado ao sofrimento físico, psicológico e social de quem recebe o diagnóstico, mas também da família do paciente. Por isso, promover qualidade de vida para quem está em tratamento é fundamental.

Pensando sempre no bem estar do paciente, o Instituto Onco-Vida/Oncoclínicas conta uma equipe de Cuidados Continuados. Segundo a dra. Alexandra Barreto, médica geriatra e paliativista e uma das integrantes da equipe, os pacientes recebem um atendimento interdisciplinar.

A médica afirma que os Cuidados Continuados, não são apenas para pacientes em fase final de vida. “Eles podem ajudar desde o diagnóstico da doença e até mesmo contribuir para o aumento da sobrevida do paciente”, explica. Os profissionais envolvidos nesse processo são psicólogos, enfermeiros, nutricionistas e médicos paliativistas.

Se houver mais demanda na alimentação, a nutricionista vai atender individualmente, se for dor de difícil controle, náuseas, vômitos, a paliativista fará um atendimento mais intenso, e assim por diante. O trabalho em equipe é essencial, como enfatiza a dra. Alexandra: “quando a gente olha de uma visão única, não vemos o paciente como um todo. A Ideia dessa equipe é ver o paciente como um todo”.

Ainda de acordo com a médica, o objetivo do atendimento é contribuir para que o paciente tenha mais autonomia e uma vida melhor. “A consulta é diferente das normais. Avaliamos o paciente e/ou a família em conjunto, de uma forma multidimensional: sua história de vida, sintomas físicos e psicológicos que o incomodam. Atendemos em um consultório maior, em roda. Em geral, os pacientes se sentem muito acolhidos”, afirma a dra. Alexandra.

Os pacientes são encaminhados independentemente da sua idade e situação econômica. Os idosos, muitas vezes, são maioria, por apresentarem critérios de fragilidade mais facilmente (dependência e doença). A Dra. Alexandra ressalta que esses cuidados não vão gerar custos para o paciente Onco-Vida, ele será atendido sem custos extras.

Vale relembrar que o auxílio da equipe de Cuidados Continuados não exclui a participação do médico oncologista ou hematologista. Dessa forma, eles servirão como mais uma forma de apoio, visando melhorar a autonomia e funcionalidade desse paciente.